Show “Sem Fronteiras” reúne fãs da música mineira

Reportagem: Rúbia Costa

O sagrado e a cultura uniram-se em uma noite para celebrar a vida. O show “Sem Fronteiras” reuniu fãs da música mineira e dos cantores e compositores Flávio Venturini e Marcus Viana

Ambiente acolhedor e músicas que falam sobre a vida. O sagrado e a cultura uniram-se em uma noite para celebrar a vida. O show “Sem Fronteiras” reuniu fãs da música mineira e dos cantores e compositores Flávio Venturini e Marcus Viana. A apresentação integrou a programação de dezembro da Paróquia Nossa Senhora Rainha, que reuniu celebrações eucarísticas, novena de natal com as famílias e apresentações artísticas.

A música como superação. Foi a força que Maria Luíza de Oliveira, administradora, encontrou para tratar o câncer: “O Marcus tem uma música que foi tema da novela Pantanal e que marcou a vida de muitas pessoas da minha faixa etária. E o Flávio Venturini é um cantor que tenho um carinho muito especial. A canção “Mais uma vez” é um mantra. Ela me acompanhou nas sessões de quimioterapia, durante meu tratamento do câncer. Essa música me fez seguir em frente e a não desanimar”. Para ela, a própria igreja é uma cultura e “dar a oportunidade das pessoas que frequentam essa casa, vivenciarem momentos como esse, é fundamental”.

Os músicos Flávio Venturini e Marcus Viana falaram da experiência de apresentarem-se em uma Igreja e também da relação com a fé: “A única experiência de igreja que tive, foi quando fui violinista de orquestra e tocávamos muito nestes ambientes. Acho que a música no mundo em que vivemos é uma forma de sobrevivência espiritual. Acredito que toda música que traz fé e permite que o ser humano se torne melhor , é sagrada”, contou Marcus.Já Flávio acredita que viveu experiências místicas, enquanto foi coroinha: “Eu fui coroinha nos meus oito anos, eu acho que essa experiência me influenciou muito na música”.

Segundo Padre Arnaldo Cézar de Carvalho, pároco solidário, a Igreja é lugar de cultura,porque ela busca a humanização do ser humano.”Por meio da boa cultura podemos nos humanizar bastante. Cultura e evangelho são duas forças da Igreja,que nunca desprezou a cultura e sempre valorizou a valorizou em suas diversas formas”. Padre Aureo Nogueira de Freitas, pároco solidário, explicou que após o Concílio Vaticano II,  a Igreja Católica tem a atitude de diálogo com a sociedade.”Um  dos meios de fazer essa evangelização tornar-se fecunda é o diálogo com a cultura, dos povos e também na dimensão das expressões artísticas e musicais. Promover o Show Celebrar a Vida é essa abertura para acolher essa dimensão bonita da cultura como manifestação de Deus e gerar, também, na comunidade a comunhão e o espírito de solidariedade e de paz”.

*Fotos: Fernanda Ourívio Faria e Lucineia Castro

Veja também