Sexta-feira da Paixão do nosso Senhor

Sexta-feira da Paixão – Diante das feridas de Jesus, olhar para as nossas feridas

 

A Sexta-feira da Paixão na Paróquia Nossa Senhora Rainha foi marcada por momentos de muita fé, oração e reflexão. A programação teve início às 11h, com celebração da hora média e meditação “Por suas Chagas fomos curados”, com a Dra. Filó; e continuou na parte da tarde com o Terço da Misericórdia, às 15h; e Solene Ação Litúrgica da Paixão do Senhor, às 18h; encerrando com a procissão com a imagem do Senhor morto, todos presididos pelo pároco, Pe. Alexandre Fernandes. O louvor foi conduzido pelo cantor Renan Carvalho, acompanhado por Kleuber Neves (teclados).

Na meditação “Por suas chagas fomos curados”, a Dra. Filó fez uma reflexão a partir da carta de Pedro (2, 18-25). Ela disse que, quando olhamos para a cruz e para as chagas de Jesus, elas são para nós um espelho e um reflexo daquilo que nós somos, da nossa verdade. “E esse olhar nos dá um impulso para a nossa conversão. Vai nos despertar para que saiamos da ilusão de que pelo fato de não termos feito o mal, nós temos as mãos limpas, esquecendo da nossa omissão, do nosso não fazer”.

A Dra. Filó convidou todos a refletirem sobre a ação de um Deus que desce na pessoa de Jesus e vai na profundeza do nosso sofrimento, vai na nossa finitude, vai na nossa morte, enfrentando tudo isso. “Como é necessário diante da feridas de Jesus olhar as nossas feridas e assumi-las. A Sexta Santa nos revela que muitas vezes nós queremos tapar os nossos ouvidos e o nosso coração porque não queremos ver a nossa verdade”. Ela ressaltou que importante que a gente se reconheça, apresentando a Deus as feridas que causamos e as feridas que nos causaram.

Na parte da tarde, com o Salão Paroquial Pedro lotado, Pe. Alexandre conduziu a Oração do Terço da Misericórdia. Após a oração, os participantes ouviram um testemunho emocionante da médica oncologista Príscila Miranda Soares, que criou a Fundação Presente, que atende pacientes carentes com câncer na cidade de Montes Claros (MG). “Penso que a misericórdia está diretamente ligada à questão da partilha, pois na prática ela significa nós exercitarmos o segundo mandamento de Cristo: ‘Amar o próximo como a ti mesmo, fazer par o outro, para o querido de Jesus, que está ao meu lado, o melhor de mim, assim como eu gostaria de ser amado, assim como eu gostaria que ele fizesse por mim”.

Com a igreja completamente lotada, na Solene Ação Litúrgica, Pe. Alexandre meditou sobre as sete expressões ditas por Jesus na cruz, convidando os participantes a se deixarem ser impactados e iluminados por elas: “Pai, perdoai-lhes porque eles não sabem o que fazem”, “Hoje mesmo estarás comigo no Paraíso”, “Meu Deus, meu Deus, por que me abandonastes?”, “Mulher, eis aí o teu filho”…“Filho, eis aí tua Mãe”, “ Tenho sede! ”, “Tudo está consumado” e “Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito”. Ao final, os fiéis acompanharam a procissão com a imagem do Senhor morto.

Veja também