No Advento renasce a esperança

O final do ano está aí, batendo à nossa porta. Como nos diz Mário Quintana, “a vida é dever que trouxemos para fazer em casa. Quando se vê, já são seis horas. Quando se vê, já terminou o ano…”. Nessa perspectiva de sermos na finitude do tempo, cada instante se reveste de eternidade, pois é ali que tomamos toda decisão em relação ao futuro. E nesse clima existencial da vida, a Igreja mais uma vez nos convida a celebrar e a viver intensamente o tempo do Advento. Esse é um tempo litúrgico que se reveste de enorme esperança, pois nos preparamos para acolher o menino-Deus que sempre continua nascendo na gruta de um coração que ama e no seio da Igreja-comunidade, casa da caridade e da palavra, do pão e da missão.

A esperança própria desse tempo aponta para a ternura de Deus em se fazer um de nós para semear aqui e agora, no ainda não de sua plenitude, o Reino de Deus. Assim, o Advento é convite a arrumar a casa do coração e do espírito para receber o amor infinito de Deus. Sempre que nasce uma criança, renasce a esperança. E em Jesus, Conselheiro admirável, Deus forte, Pai eterno, Príncipe da paz (Isaías 9, 6), o mistério da vida humana se resolve, pois ele vence o pecado e a morte.

Outra faceta espiritual do tempo do Advento é perceber o longo caminho preparatório, as lutas do povo de Deus permeadas de doação e, às vezes, de pecado. É na história humana que Deus age e se revela. Mas foi via Espírito Santo que os profetas agiram em nome de Deus, foi pelo Espírito Santo que Jesus se encarnou e é pelo mesmo Espírito que nos tornamos Igreja em saída.  Logo, o tempo do Advento é convite a viver intensamente a via espiritual onde colhemos o sentido da existência e nos preparamos para as bem-aventuranças eternas. Aproveite também o período do Natal para a Celebrar a Vida. Acompanhe a programação da paróquia e participe com a sua família!

Padres Aureo Nogueira de Freitas e Márcio Antônio de Paiva

Párocos Solidários

Veja também