Igreja em diálogo com a cultura

A programação Celebrar a Vida reuniu fé e arte, durante celebrações e apresentações artísticas na Paróquia NSRainha

Cores, sorrisos, emoção e amor para celebrar a vida. Celebrações Eucarísticas, novena com as famílias, visita missionária, cantatas de natal, teatro musical e um show “Sem Fronteiras para a cultura. Ao longo do mês de dezembro, a Paróquia Nossa Senhora Rainha preparou atividades especiais para a comunidade paroquial.

Segundo padre Aureo Nogueira de Freitas, pároco solidário, após o Concílio Vaticano II, a Igreja Católica tem a atitude de diálogo com a sociedade. E um dos meios de fazer essa evangelização tornar-se fecunda é o diálogo com a cultura, dos povos e também na dimensão das expressões artísticas e musicais. “Promover atrações culturais é proporcionar essa abertura para colher a dimensão bonita da cultura como manifestação de Deus e gerar, também, na comunidade a comunhão e o espírito de solidariedade e de paz”, ressaltou.

Nos Braços de Maria, os fiéis iniciaram o mês de dezembro acolhidos pelo amor da mãe. Padre Arnaldo Cézar de Carvalho explica que o momento de encontro com Nossa Senhora Rainha, que ocorre no 1º sábado de cada mês, oferece a oração do terço, a devoção e a Sagrada Eucaristia. “Após a missa, temos a confraternização para que todos experimentem a simplicidade de Maria, por meio do café compartilhado. É um caminho de prelúdio para o mês inteiro”, contou.

A Quinta Eucarística acolheu os seminaristas da Arquidiocese de Belo Horizonte para uma visita missionária na paróquia. Mais de 50 jovens conheceram a estrutura da igreja e comunicação, além de participarem de um momento de formação. “Esses momentos de ir a uma paróquia é muito significativo para eles, porque eles vão configurando o coração a Cristo”, afirmou, pe. Evandro Campos Maria, Reitor do SACEJ.

Brilho e alegria para todos os lados. No palco, mais de vinte artistas, chamaram a atenção do público contando a história de Jesus desde o nascimento de Maria, Sua Mãe. Adultos e crianças encantaram-se com o Musical Filho de Deus, menino Meu, da Comunidade Católica Shalom. Lucian Guilherme, intérprete de José acredita que “o espetáculo toca as pessoas de maneira especial, porque usa a música, o teatro e a interpretação como ferramentas de evangelização”.

As vozes dos meninos do Coral Mater Ecclesiae, de Santa Luzia, encantaram os paroquianos. No repertório, músicas como “Noite Feliz” e “Ave Maria” iluminaram a Terça das Luzes e a Quinta Eucarística. Padre Arnaldo ressalta que a Igreja é lugar de cultura, porque busca a humanização do ser humano. “A Cultura e o Evangelho são duas forças da Igreja, sendo muito importante no processo de evangelização”.

Ambiente acolhedor e músicas que falam sobre a vida. O sagrado e a cultura uniram-se para o show “Sem Fronteiras”, que reuniu fãs dos músicos mineiros Flávio Venturini e Marcus Viana. A música como superação. Foi a força que Maria Luíza de Oliveira, administradora, encontrou para tratar o câncer: “O Flávio Venturini é um cantor que tenho um carinho muito especial. A canção ‘Mais uma vez’ é um mantra. Ela me acompanhou nas sessões de quimioterapia, durante meu tratamento do câncer e me fez seguir em frente.” Marcus Viana acredita que a música no mundo em que vivemos é uma forma de sobrevivência espiritual. “Creio que toda música que traz fé e permite que o ser humano se torne melhor, é sagrada”, declarou.

Veja também