Entrevista/Marília Mello – A busca pela intimidade com Deus

Marília Mello

A Paróquia Nossa Senhora Rainha recebeu recentemente a visita da cantora Marília Mello. Nascida e criada em São Paulo, ela iniciou sua história na música católica ainda na adolescência, cantando nos encontros de jovens, nos retiros, nas santas missas e grupos de orações. Em 2001, foi convidada a fazer parte da Banda El Shammá, da região de Embu das Artes, no interior paulista. Lá, ela participou de festivais e gravou uma coletânea da Diocese. Em 2007, a cantora iniciou o seu projeto solo Marília Mello, que deu origem ao seu primeiro CD, intitulado “Novo Caminho”. Recentemente, gravou seu segundo CD, com o tema “Intimidade”, no qual convida as pessoas a um aprofundamento espiritual. Dona de uma voz madura, Marília une em suas canções a técnica e uma profunda espiritualidade.

Marília, fazer história na música católica era um desejo que veio da infância?
Eu sempre fui interessada em música, desde pequena. A música sempre me atraiu, mas eu não imaginava ser cantora e missionária católica. Foi algo que aconteceu de uma forma muito natural. Acho que Deus vai transformando, lapidando e cuidando da nossa história e quando de repente você se dá conta, já é uma cantora, uma missionária católica.

Você disse que o período em que fez parte de um ministério de música da Renovação Carismática na cidade de Embu das Artes, no interior paulista, foi um momento de crescimento espiritual e musical na sua vida. Poderia falar um pouco sobre esse tempo?
Eu tinha 14 anos de idade quando ingressei num grupo de jovens e, logo em seguida, já havia iniciado no ministério de música. Acho que foi nesse momento que comecei minha história com Deus, porque até então eu servia ao Senhor, eu cantava e gostava de estar na igreja, mas eu não tinha feito uma experiência de amor profundo em Deus. E a partir de um retiro de jovens, Deus me tocou profundamente, dando um sentido para o meu ministério. Então Deus foi trabalhando na minha vida e eu fui adquirindo gosto em buscar a palavra de Deus, em buscar o Senhor. Não só pela obra, mas pelo Senhor, pois acho que às vezes nós amamos a obra, nós amamos cantar, mas temos que amar estar na presença do Senhor, temos que buscar o Senhor. Então foi nessa época que eu fui transformada, dia após dia, na graça de Deus.

Como surgiu a ideia da Missão Marília? O seu primeiro CD, “Novo Caminho”, que recebeu indicação ao Prêmio Nacional da Música Católica, na categoria Louvemos ao Senhor, foi fruto dessa iniciativa?
O CD “Novo Caminho” nasceu como fruto de muita oração e como desejo daquilo que já vivenciávamos no ministério em canções. Esse trabalho é um reflexo da nossa vida ministerial, da nossa caminhada. Nosso primeiro intuito era gravar uma demo, porque queríamos participar de um festival de música. Mas ao gravar essa demo, o produtor musical nos fez uma proposta e, assim, nasceu o CD “Novo Caminho”. Acho que Deus encaminhou dessa forma. E com esse trabalho conseguimos evangelizar em todo o Brasil, pois, embora independente, o CD teve uma boa divulgação em nível nacional e recebemos essa indicação para o Prêmio Nacional da Música Católica. Acho que tudo foi fruto das nossas orações e da própria condução de Deus.

Fale um pouco sobre a sua trajetória na TV, suas participações no programa Jovem Point 21 na emissora católica TV Século 21, e em outras emissoras, como a Canção Nova, TV Aparecida, Rede Vida…
É muito bom ter meios de comunicação que possam levar a Palavra de Deus mais adiante, pois o CD chega em alguns lugares, mas a TV alcança muitos lugares, muitos corações e muitas vezes a gente não tem sequer a dimensão do que a TV pode alcançar. É um poderoso instrumento de comunicação do qual Deus se utiliza. Meu trabalho como apresentadora do Jovem Point 21 foi muito bom e muito rico porque eu não tinha experiência com TV e isso possibilitou o meu crescimento como missionária, comunicadora e propagadora da Palavra de Deus. Foi uma experiência que me amadureceu muito, pois o programa era voltado para os jovens e trabalhávamos temas diferentes e de forma interativa. E nas outras TVs também foi um trabalho muito gratificante, pois também estávamos levando a Palavra do Senhor.

Sua experiência na TV estimulou a gravação de um DVD em 2013, para celebrar seus 13 anos de ministério?
Na verdade, não. Esse DVD é uma coletânea de dois clips que eu fiz do trabalho “Novo Caminho”, contando um pouquinho da minha história, do meu ministério e do meu testemunho. É um trabalho que nasceu para comemorar, pois fizemos um show na minha cidade natal e sentimos a necessidade de ter um registro em vídeo para comemorar esse momento, ou seja, os 13 anos de ministério.

Buscar um aprofundamento espiritual que nos leva ao encontro com nós mesmos, com Deus e com o próximo. Essa foi a inspiração para o seu novo álbum “Intimidade”?
Foi sim. Pois eu vivi um deserto muito grande em Deus quando eu fui fazer o CD “Intimidade”. Então eu pedi a Deus que Ele falasse comigo diante daquele deserto, daquela aridez espiritual tão grande. E depois de um tempo buscando o Senhor e não escutando, não conseguindo ouvir o que Deus queria, Ele falou que eu precisava ter mais intimidade com Ele. E essa busca, essa renúncia em nós mesmos – porque, para buscar ao Senhor, a gente precisa renunciar às nossas próprias vontades, aos nossos desejos carnais –, me levou a compreender melhor essa necessidade de uma intimidade maior com Deus. Então essa foi a inspiração maior para esse trabalho. Todas as canções, desde os louvores até as meditativas e os clamores, nos levam a essa intimidade profunda com Deus.

Veja também