Confira como foi o terceiro dia do 14º SVES

A programação do terceiro dia do 14º Seminário de Vida no Espírito Santo (sábado, dia 19 de maio), promovido pela Paróquia Nossa Senhora Rainha, reservou um momento especial, de muita fé e oração, para os participantes: a Oração de Cura Interior, conduzida pelo pároco, Pe. Alexandre Fernandes, que lembrou a importância desse “momento de intimidade com Deus, no qual olhamos para o nosso interior e nos deparamos muitas vezes com nossas fraquezas, nossos defeitos, e descobrimos onde precisamos ser curados”. A programação também incluiu muitos momentos de louvor e oração, o Terço da Misericórdia e pregações de Amanda Drumond, de Gil Monteiro e de Milene Costa.

A primeira pregação do terceiro dia do 14º SVES foi realizada pela psicóloga e uma das coordenadoras do Grupo de Oração da NSRainha que se reúne todas as segundas-feiras, Amanda Drumond, que falou sobre o tema “Fé e conversão”. Ela iniciou falando do sentido da conversão, “que é a transformação feita por uma entrega a Deus, e disse que essa conversão é difícil mesmo, porque é difícil acolher sempre a vontade de Deus”. Mas, ressaltou, temos que nos lembrar que Deus nos ama e que Ele pode dar um novo sentido para a nossa vida.

A psicóloga contou um pouco da sua história, dos vários problemas familiares e de saúde, a perda de dois filhos ainda na gestação, do pai e de um irmão, que era referência para ela; e ressaltou que, em nenhum momento, perdeu a fé. “Deus me mostrou que precisamos enxergar além. O sofrimento me trouxe um novo olhar para o mundo e me fez enxergar aquilo que é essencial, aquilo que Deus tem para nós, deixando de lado aqueles pequenos problemas”. Amanda encerrou lembrando que Deus nos deu um modelo de fé, que é Maria, que guardava tudo em seu coração.

No período da tarde, foi a vez do cantor e missionário Gil Monteiro falar sobre o tema “Perdão e amor aos irmãos”. Antes da pregação, Gil convidou os participantes a um louvor, cantando a música “O céu se abre”, de sua autoria. Ao iniciar, ele lembrou que “por um lado, o perdão nem sempre á fácil, mas por outro lado é simples no sentido de ‘eu dou ou não’”. O missionário disse que muitas vezes nós nos colocamos na condição de vítimas e não damos o perdão. “Mas aquele mal que nos fizeram, vai se tornando o centro de nossa vida, vai acumulando e passa a reger a nossa vida”.

Gil lembrou que nós não gostamos de justiça para nós, gostamos de justiça para os outros, e muitas vezes gostamos de praticar a vingança, fazendo justiça com as próprias mãos. “Mas quando nos colocamos no lugar de quem nos feriu, na mesma situação e olhando para dentro de nós, nós chegamos à conclusão de que faríamos a mesma coisa”. Ou seja, percebemos que não somos tão bons assim. O cantor disse que o Espírito Santo pode nos ajudar a perdoar, nos ajudar a perceber que quem segue à Jesus consegue liberar o perdão.

A última pregação do terceiro dia foi da professora Milene Costa, que abordou o tema “Toda mudança envolve uma alteração de vida”, ressaltando que tudo está em constante mudança e transformação, a natureza, o mundo, o universo, a gente. “Essa evolução, mudança e transformação nos leva a alcançar aquilo que nos limita. E essas mudanças envolvem alteração de vida e não adianta a gente pensar que precisa de mudança, desejar que precisa de mudança e não mudar as nossas atitudes naquilo que a gente compreende que precisa fazer, naquilo que a gente sente que precisa fazer”.

Milene ressaltou que quem aceita as mudanças aceita que tem muito para aprender e quem evita a mudança não percebe que precisa conhecer mais e estabelece que o seu ponto de vista está correto. “Todos nós temos muito que avaliar, que aprender, todos nós precisamos melhorar e, quando entendemos isso, toda mudança vai ser uma oportunidade para melhorar”. Ela disse que todo o nosso conhecimento precisa de atualização. “A transformação no campo do conhecimento, no campo do acontecimento e no campo do poder traz para a gente a experiência da boa e agradável e perfeita vontade de Deus na nossa vida”.

Veja também