O que representam as cores litúrgicas?

Um guia sobre o significado das cores usadas pelo clero e as verdades espirituais que elas simbolizam
Com certeza você já notou: os padres vestem cores diferentes ao longo do ano litúrgico. Mas essas cores não são arbitrárias; refletem um significado profundo para nos indicar um tema espiritual específico.

Desde a antiguidade, quando um sacerdote celebrava o sacrifício da Missa, ele vestia uma grande peça de poncho, chamada casula, que cobria suas roupas comuns. Esta vestimenta se desenvolveu a partir do traje romano comum aos fazendeiros, que recorriam ao grande poncho para protegê-lo das intempéries do clima. No século VIII, a casula passou a ser reservada aos membros do clero e, alguns séculos mais tarde, cores específicas entraram em uso.

As cores foram escolhidas para destacar diferentes verdades espirituais ao longo do calendário da Igreja. Dessa forma, quando alguém assistia à Missa, conseguia associar a cor ao tempo litúrgico ou ao dia que estava sendo celebrado. Isso levou as pessoas a uma compreensão mais profunda da fé e reforçou qualquer lição espiritual que precisasse ser ensinada.
Abaixo, apresentamos um guia das cores adotadas pela Igreja no ano litúrgico, bem como seus respectivos simbolismos.

Vermelho – É a cor do sangue. Representa amor, paixão, fogo e martírio.

Verde – Representa vida nova, regeneração, esperança.

Branco – Representa santidade, pureza e retidão.

Roxo – Representa penitência e arrependimento dos pecados.

Rosa – Resplandece alegria, em meio ao tempo dedicado ao jejum e à penitência.

Preto – Simboliza a morte e deve ser usado em celebrações fúnebres.

Dourado – Denota um dia especial de celebração, na festa ou solenidade importante para a Igreja.

Fonte: Aleteia

Veja também