Francisco: o puro de coração vive na presença do Senhor

A pureza do coração foi o tema da catequese do Papa Francisco na Audiência Geral desta quarta-feira. “Para ver Deus, não há necessidade de trocar de óculos ou ponto de vista, é preciso libertar o coração de seus enganos”, disse o Pontífice.

Mariangela Jaguraba – Cidade do Vaticano

“A pureza do coração”. Esta sexta bem-aventurança foi o tema da catequese do Papa Francisco na Audiência Geral, desta quarta-feira (01/04), realizada na Biblioteca Apostólica Vaticana, devido à pandemia do Covid-19.

“Procurem minha face! É tua face que eu procuro, Senhor. Não me escondas a tua face.” Com esta passagem do Salmo 27, Francisco sublinhou que “esta linguagem manifesta a sede de uma relação pessoal com Deus, expressa também no Livro de Jó como sinal de uma relação sincera: “Eu te conhecia só de ouvir. Agora, porém, os meus olhos te veem”.

“Como alcançar essa intimidade?”, perguntou Francisco. “Podemos pensar nos discípulos de Emaús, que têm o Senhor Jesus ao seu lado, mas seus olhos não o reconheciam. O Senhor abrirá os seus olhos no final de uma caminhada que terá o seu ápice na partilha do pão, mas tinha iniciado com uma repreensão: “Tolos e lentos de coração para acreditar em tudo o que os profetas falaram”. Esta é a origem de sua cegueira: o seu coração tolo e lento.”

Libertar o coração de seus enganos

Aqui se encontra a sabedoria dessa bem-aventurança: para poder contemplar é necessário entrar em nós e abrir espaço para Deus, pois, como diz Santo Agostinho, “Deus é mais íntimo para mim do que eu mesmo”. Para ver Deus, não há necessidade de trocar de óculos ou ponto de vista, é preciso libertar o coração de seus enganos!

“Este é um amadurecimento decisivo: quando percebemos que o nosso pior inimigo está escondido em nosso coração. A batalha mais nobre é aquela contra os enganos interiores que geram os nossos pecados”, sublinhou o Papa.

Conservar no coração o que é digno da relação com Deus

Para Francisco, é importante entender o que significa ‘pureza do coração’. “Para fazer isso, é preciso lembrar que, na Bíblia, o coração não consiste apenas em sentimentos, mas é o lugar mais íntimo do ser humano, o espaço interior onde a pessoa é ela mesma.”

Veja também