Artigo de Dom Walmor – Santuário Basílica da Piedade

Dom Walmor Oliveira de Azevedo – Arcebispo metropolitano de Belo Horizonte

O Papa Francisco presenteia Minas Gerais, de modo singular, com o título de basílica concedido ao Santuário Nossa Senhora da Piedade – Padroeira de Minas Gerais. Esse título conferido pelo Papa há de alegrar o coração de todos os mineiros. É também motivo de gratidão de toda a Igreja Católica no Brasil, pois coroa um tempo especial – 250 anos do povo peregrinando na fé ao Santuário Nossa Senhora da Piedade, o coração de Minas Gerais. Uma admirável história: desde 1767, os pobres, os crentes, homens e mulheres de boa vontade, sobem até o alto da montanha sagrada atraídos, em primeiro lugar, pela força de uma densidade amorosa – a presença de Maria, Mãe da Piedade, que tem nos braços o Filho Amado, Jesus Cristo, o Salvador do mundo. A imagem da Padroeira de Minas está na Ermida, o lugar mais importante do Santuário, edificada onde ocorreu um milagre: conforme conta a tradição, uma menina surda e muda passa a ouvir e a falar após a aparição da Mãe de Deus.

Maria, no Santuário da Padroeira de Minas Gerais, a exemplo do que ocorre mundo afora, congrega peregrinos que se tornam devotos pela fé. Assim, esses fiéis conseguem abrir novos horizontes para suas vidas, aprendem lições, experimentam a força transformadora do Evangelho de Jesus. Pela fé, tornam-se destinatários de bênçãos e milagres. Alcançam graças que só Deus pode conceder. A veneranda imagem da Mãe da Piedade, com o Filho nos braços, revela a mais genuína raiz da religiosidade mineira, que sempre remete à paixão e morte do Salvador. É marca do discipulado autêntico, manifestado na vida de quem se dedica a promover o bem.

Os olhos da Mãe discípula voltados para Cristo ensinam: nenhuma dor é para sempre. Contribuem para que o olhar humano, embaçado pelas vicissitudes, contemplem a luz transformadora da fé, que possibilita enxergar o invisível, o caminho da vitória e a sua consolidação no amor. A imagem da Padroeira de todos os mineiros é obra de Aleijadinho, referência maior do barroco de Minas, nascido na grandeza da história deste “Estado Diamante”. No Santuário, essa arte colonial barroca, tocada pela fé, desdobra-se em riquezas e monumentos modernos, a exemplo da Igreja Nova das Romarias que, junto com a Ermida, agora também é basílica.

O Santuário configura-se, pois, em inesgotável tesouro da religiosidade mineira, que se alimenta da cruz e experimenta a alegria vitoriosa da ressurreição. Esse tesouro deve ser sempre bem cuidado por todos, com estima e reverência, para ser alicerce perene da fé cristã católica no Brasil. Seu território sagrado contempla um sítio ambiental de mais de um milhão e duzentos mil metros quadrados, enriquecido, inexplicavelmente, pela Mata Atlântica e pelo Cerrado, dois dos cinco biomas brasileiros importantes, e pelos campos rupestres. O Santuário precisa ser, por isso mesmo, uma escola de preservação e defesa da vida, inspirando diálogos entre instâncias que têm o dever de assumir o enorme desafio do cuidado com o meio ambiente.

A indescritível generosidade da natureza, que parece sempre se manifestar diferente, de mil e uma formas, no território dedicado a Nossa Senhora da Piedade, permite afirmar: o Santuário é conjunto paisagístico e turístico mais importante, singular em beleza, de Minas Gerais. Merece o permanente empenho da Igreja, dos governos, de todos os segmentos da sociedade, em cuidados e investimentos adequados, para que possa ajudar o Estado a ocupar o lugar merecido no contexto internacional.

Santuário Basílica Nossa Senhora da Piedade, de Caeté para o mundo. O presente do Papa Francisco ilumina ainda mais esse território sagrado, reforça a dimensão espiritual que é a mais importante e urgente quando se considera a necessidade de se alcançar novos rumos – na vida das pessoas e no contexto social. Basílica remete a rei, à realeza de Cristo, revelada na coragem de oferecer-se pelo bem de todos. Compreender o que ensina Cristo Rei, deixar que sua realeza toque inteligências e corações, produz a força para configurar um jeito novo de ser, que qualifica a vivência da cidadania civil e religiosa. Nesse sentido, peregrinar ao Santuário Basílica Nossa Senhora da Piedade é oportunidade inigualável para deixar-se tocar pela sublime e transformadora presença de Cristo, que oferece novo rumo à vida, a partir da lógica do amor. Seja na Ermida da Padroeira – a Basílica da Piedade, ou na Basílica Estadual das Romarias, o convite é para a vivência de momentos de oração, reconciliação e escuta da Palavra de Deus.

Todos são convocados a apoiar o caminho missionário do Santuário Nossa Senhora da Piedade na tarefa de fazer cada vez mais conhecido esse tesouro. O Santuário da Padroeira de Minas Gerais é dom para a Igreja no Brasil, especialmente para nós mineiros. Torne-se cada vez mais destino frequente de igrejas particulares, paróquias, comunidades, famílias, todos os apaixonados defensores do meio ambiente, governantes e construtores da sociedade, o território sagrado da Padroeira de Minas – Santuário Basílica Nossa Senhora da Piedade.

Ilustração: Quinho | Estado de Minas

Fonte: Arquidiocese de Belo Horizonte 

Veja também